Destaque Notícias — 15 Abril 2015
Depois da luta travada em todo país para acabar com as cooperativas nos postos de combustíveis, os trabalhadores do setor se veem ameaçados pelo projeto da terceirização. O presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, e também secretário-geral da Federação Nacional dos Frentistas(FENEPOSPETRO) está na sede da entidade, em São Paulo, para avaliar os riscos do Projeto de Lei 4330 para a categoria.
Segundo ele, o projeto trará danos irreparáveis para os trabalhadores dos postos de combustíveis, que sempre foram alvos do monopólio do capital, e agora vão ficar à mercê de empresas piratas que exploram a mão de obra. “ os frentistas que conseguiram se fortalecer na década de 90, com a fundação do primeiro sindicato da categoria e da FENEPOSPETRO, além de terem seus direitos ameaçados, ainda ficarão com a sua estrutura organizacional fragilizada”-disse.

O presidente do sindicato frisa que hoje existem mais de 12 milhões de trabalhadores terceirizados que recebem metade do salário de um empregado contratado de carteira assinada. Para ele,o projeto permiti a superexploração da mão de obra.

Eusébio Neto vai acompanhar hoje o processo de votação das emendas do PL 4330  e as  manifestações que acontecem em todo país. No início desta semana, representantes da FENEPOSPETRO participaram de audiência pública sobre a terceirização, em Brasília, e manifestaram repúdio a proposta. 

Share

About Author